MENU

Multimídia

A Fundação Bienal de São Paulo realizou o lançamento virtual da publicação educativa da 34ª Bienal de São Paulo, Primeiros ensaios, ao longo de três eventos on-line. A última live foi realizada no dia 12 de junho de 2020 e abordou temáticas “Em torno dos Retratos de Frederick Douglass”. O jornalista especializado em cultura, fundador e diretor da revista O Menelick: 2º Ato, Nabor Jr., e o artista Daniel de Paula contribuíram, com entrevistas gravadas, para o debate, que contou também com um trecho da série de vídeos CyberQuilombo, da labExperimental.

A Fundação Bienal de São Paulo realizou o lançamento virtual da publicação educativa da 34ª Bienal de São Paulo, Primeiros ensaios, ao longo de três eventos on-line. Realizada em 11 de junho de 2020, a segunda live teve como tema “Em torno do Sino de Ouro Preto" e contou com entrevistas da professora universitária (PUC SP) Christine Greiner e da artista Eleonora Fabião.

A Fundação Bienal de São Paulo realizou o lançamento virtual da publicação educativa da 34ª Bienal de São Paulo, Primeiros ensaios, ao longo de três eventos on-line. De tema “Em torno do Bendegó” e realizada em 10 de junho de 2020, a primeira live contou com a participação gravada da professora universitária (UFRJ) e curadora de meteorítica do Museu Nacional Maria Elizabeth Zucolotto e do artista indígena Gustavo Caboco.

Documentário sobre a realização da performance "A Maze in Grace", de Neo Muyanga com Legítima Defesa + Bianca Turner, apresentada no dia 8 de fevereiro de 2020 como parte da programação da #34bienal. A performance foi coproduzida com a Liverpool Biennial of Contemporary Art.

Pela primeira vez reunidos publicamente neste encontro, Jacopo Crivelli Visconti (curador geral), Paulo Miyada (curador adjunto), Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi e Ruth Estévez (curadores convidados) realizaram um bate-papo sobre os recém-divulgados artistas da 34ª Bienal, mostras individuais, programação pública e pesquisas curatoriais. A conversa com o público na Oficina Cultural Oswald de Andrade aconteceu na terça-feira, 4 de fevereiro, às 19h30.

Beatriz Santiago Muñoz (n. 1972, San Juan, Porto Rico) artista participante da 34ª Bienal de São Paulo - Faz escuro mas eu canto, conversa com o público da Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 12 de novembro de 2019. Ela trabalha principalmente com vídeo e tem como influências o Teatro do Oprimido, a etnografia experimental e teorias feministas.

Philipp Fleischmann (n. 1985, Hollabrunn, Áustria) artista participante da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto, conversa com o público da Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 9 de novembro de 2019. Ele desenvolve uma pesquisa em torno do filme analógico e cria, a cada filme, configurações de câmera site-specific para que o material da filmagem se relacione com o assunto da gravação.

Adrián Balseca (n. 1989, Quito, Equador), artista participante da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto, conversa com o público da Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 12 de outubro de 2019. Com elementos ensaísticos, sua obra muitas vezes ativa no tempo presente os resíduos de ideais de processo e modernização de territórios latino-americanos.

Projeto curatorial inovador da 34ª Bienal promove diversas exposições no Pavilhão da Bienal a partir do começo de 2020, além de múltiplas mostras resultantes de colaborações com diversos espaços culturais de São Paulo

Compartilhe
a- a a+